Construção civil dá sinais de recuperação

Últimas Notícias



Categorias

Algumas empresas aceleram obras na Capital para lançar imóveis no segundo semestre
Algumas empresas aceleram obras na Capital para lançar imóveis no segundo semestre
Adriana Franciosi / Agencia RBS

Construção civil dá sinais de recuperação

Financiamento caro e queda da renda representam desafios ao setor.

Economia
19 de setembro de 2016 às 09:15:59 251 visualizações

Depois de encolher 10,2% em dois anos, a construção civil, um dos setores mais afetados pela recessão econômica, começa a preparar o terreno para retomada. A recuperação da confiança de empresários brasileiros indicam um horizonte mais favorável nos próximos meses e Porto Alegre, com um baixo estoque de imóveis disponíveis para a venda, deve ser a capital pioneira nessa retomada.

Apesar da economia real continuar dando tropeços no presente, indicadores apontam que a crise no setor pode estar perto do fim. Depois de oito trimestres de queda, o setor teve leve reação e avançou 1% entre abril e maio, conforme apontou a FEE.

A confiança dos donos de construtoras, por exemplo, já anda para frente há seis meses consecutivos, conforme mostra indicador calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A recuperação é expressiva no segmento de preparação do terreno, atividade que costuma registrar aceleração no início efetivo de obras previamente contratadas.

No Rio Grande do Sul, o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), com pesquisa semelhante, mostra cenário bastante parecido: há seis meses, executivos estão mais confiantes em relação ao futuro, em um horizonte de seis a 12 meses. Desde maio, o indicador que aponta o ânimo dos consumidores também voltou a crescer. Apesar de não ser um dado consolidado, é ponto chave para uma recuperação sólida do setor, explicam especialistas: as pessoas se movem em meio às expectativas em relação ao futuro.

– Mostra que o ciclo de contração da atividade pode estar, finalmente, se encerrando. De qualquer maneira, será uma recuperação mais demorada, porque o ciclo econômico da construção é mais lento que o da indústria, que já começa a dar sinais mais concretos – disse Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção da FGV/Ibre.

Outros fatores explicam o otimismo do empresário gaúcho. Diferentemente de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, Porto Alegre tem um estoque bastante baixo de imóveis para a venda, o que exigiria o início de novas obras em prazo menor. Enquanto a capital gaúcha tem 3,2 mil novas propriedades disponíveis para negócio atualmente, a capital paulista conta com mais de 30 mil. A burocracia que deixa mais lento o início de novas construções no Estado acabou impedindo uma superoferta de imóveis quando a procura dos consumidores despencou. 

O mercado de trabalho em Porto Alegre e Região Metropolitana é outro indicativo de que o setor no Estado pode voltar a crescer antes do que no restante do país. O desemprego do setor nesses locais segue, faz alguns meses, praticamente estabilizado, registrando apenas oscilações sazonais, explica Assílio Luiz Zanella de Araujo, economista do Sinduscon.

– É difícil dizer uma data para o setor voltar a crescer, é preciso primeiro parar de cair, e isso já aconteceu. Agora, depende do custo do crédito para os compradores – afirma Juliano Melnick, diretor da construtora Melnick Even, que aposta em um apetite mais voraz dos consumidores conforme a taxa de juro comece a recuar.

Empresários do setor e bancos negociam com representantes do Banco Central para aumentar, ainda este ano, o limite do valor dos imóveis financiados com recursos do FGTS de R$ 750 mil para R$ 1 milhão.

Como está a confiança dos empresários
O otimismo dos empresários para os próximos 12 meses da construção civil no RS é mais acentuado. Valores acima de cem refletem otimismo, e abaixo, pessimismo.
Empresários: 123
Consumidores: 104
Corretoras: 89

Diferenças entre o porte das empresas

A Melnick Even, uma das maiores empresas do ramo no Estado, aproveitou o acesso ao crédito e o estoque baixo de imóveis na região e lançou nove empreendimentos de janeiro a agosto e projeta mais cinco até o final do ano. Não foi o comportamento geral observado em Porto Alegre, onde o número de lançamentos caiu 30,3% no acumulado de janeiro a agosto em relação a 2015. As vendas também andaram em ritmo menor em comparação aos últimos anos, mas vêm avançando há alguns meses. Em julho, foram fechados 335 negócios, segundo melhor do ano.

– Já sentimos uma disposição maior dos compradores. Mas o nosso público ainda é muito sensível ao juro – diz Rafael Moutinho, gerente comercial da Rotta Ely.

Crédito restrito e desemprego são obstáculos

A retomada da construção civil deve começar pelo setor imobiliário e só mais adiante em obras de infraestrutura — boa parte paralisadas pela crise política em Brasília e o envolvimento de grandes empreiteiras na Lava-Jato.

Para alavancar de vez a construção de novas residências e empreendimentos comerciais é preciso antes ultrapassar dois importantes obstáculos: o juro alto e o desemprego.

A melhora da confiança dos empresários é importante, sem dúvida, mas, por enquanto, mais baseada em promessas de melhora na economia do que em resultados efetivos do ambiente econômico. O consumidor é mais reticente e leva em conta o peso no bolso. Se tem qualquer expectativa de ser demitido, não compra, e o negócio não anda – afirma Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção da FGV/IBRE.

Juliano Melnick, diretor da construtora Melnick Even, estima que o juro precise baixar pelo menos ao patamar de 12% (hoje a taxa básica está em 14,25% ao ano) para que a demanda comece a crescer de forma mais efetiva:

– Quando você compra algo em três parcelas, a taxa não importa muito. Agora, quando são 360 prestações, olha-se cada detalhe e cada ponto percentual a menos conta.

Margem menor para avançar em um mercado reduzido

Para Rafael Moutinho, gerente comercial da Rotta Ely, o crédito será determinante nos próximos meses.

– Estamos estabilizados, mas em patamares baixos. Precisamos favorecer as condições para estimular as vendas – diz.

O acesso caro ao financiamento, para consumidores e empreendedores, representam um desafio extra para as construtoras de pequeno porte, que têm menor margem para reduzir preço e ganhar espaço em mercado restrito.

Os irmãos Tanara e Max Castro são um exemplo. A dupla em 2010 — quando o setor imobiliário crescia a dois dígitos ao ano — fundou a Aura Construtora, e agora enfrenta dificuldades para vender os apartamentos que construiu. No mais recente projeto, um prédio com nove unidades, quatro foram negociadas logo no lançamento. O restante segue "emperrado".

– Quando começamos, nenhum imóvel ficava parado, tudo era acertado muito rápido. Agora, não. As construtoras menores não têm tanta possibilidade de publicidade, e isso influencia. Antes, eu era bem otimista, mas, depois dessa crise toda, prefiro não ficar fazendo projeções positivas – conta a engenheira Tanara.

A empresa tem um terreno disponível e um projeto já liberado na prefeitura, mas prefere esperar um pouco mais para iniciar a nova obra.

– Ainda estamos trabalhando na venda da unidades que temos. Não reajustamos preço de tabela desde agosto de 2015 para ficarmos mais competitivos – afirma Max.